Provas ortográficas, caligráficas e de aritmética, exame de instrução primária do 1º grau · Museu Virtual da Educação, Cabo Verde

Procurar usando este tipo de interrogação:



Procurar apenas estes tipos de registos:

Objeto
Ficheiro
Coleção
Página Simples

Pesquisa avançada (apenas objetos)

Provas ortográficas, caligráficas e de aritmética, exame de instrução primária do 1º grau



Ficha Técnica

Número

EP/EAP/033

Designação

Provas ortográficas, caligráficas e de aritmética, exame de instrução primária do 1º grau

Nível de Ensino

Ensino primário

Descrição

A avaliação da aprendizagem, processo de seriação e comparação de conhecimentos e capacidades culminava na época dos exames, com a realização de provas escritas e orais de instrução primária.
Apresentam-se na Galeria provas ortográficas, caligráficas e de aritmética, de instrução primária do 1º grau, realizadas pelos seguintes alunos e alunas: Berta Andrade Silva, 19 Agosto 1920, Ribeira das Patas; Alda Duque Levy, 1 Agosto 1922, Praia; Laura Fonseca Freitas, 2 Agosto 1922, ilha Brava; Jorge Menezes de Figueiredo, 2 Agosto 1922, Praia; Maria Eugénia de Menezes de Figueiredo, 2 Agosto 1922, Praia; Venâncio Moreno, 3 Agosto 1922, Praia; António Corrêa e Silva, 2 Agosto 1923, Tarrafal; Lino Júlio dos Santos, 31 Outubro 1923, Ribeira das Patas.
Consultar:
Documentos - Notícias sobre exames e instruções para a realização dos exames do 1º e 2º grau, nas escolas cabo-verdianas.

Material

Folhas de papel e tinta

Dimensões

Folha: altura: 21 cm, larg.: 15 cm

Localização

Arquivo pessoal de Adriana Carvalho. Os originais das provas escritas estão guardados no Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, Fundo Arquivístico SGG, cxª 669.

Estado de Conservação

Bom

Bibliografia

A Voz de Cabo Verde, nº 55, 2 de Setembro de 1912, p. 3.
A Voz de Cabo Verde,
nº 58, 22 de Setembro de 1912, p. 3.
A Voz de Cabo Verde,
nº 164, 5 de Outubro de 1914, p. 3.
Boletim Oficial do Governo da Província de Cabo Verde,
nº 28, de 51 de Julho de 1911, p. 237.
Boletim Oficial do Governo da Província de Cabo Verde, Supl. nº 10 ao nº 25, 26 de Junho de 1917, pp. 2-3.
Boletim Oficial do Governo da Província de Cabo Verde, Supl. nº 9 ao nº 23, 12 de Junho de 1918, pp. 2-3.
Carvalho, Maria Adriana Sousa (2006). A avaliação da aprendizagem na imprensa cabo-verdiana (1914/1916). In Contacto nº 1, Maio, pp. 125-136.
Carvalho, Maria Adriana Sousa. A modelação do discurso educativo em Cabo Verde: marcos temporais da exclusão social à educação inclusiva. Comunicação apresentada no 1º Congresso Cabo-verdiano de Educação Inclusiva: Desafiando os caminhos da educação inclusiva em Cabo Verde, Universidade de Cabo Verde, 4 e 5 Dezembro de 2014.
Notas de exames, ilha Brava, 30 de Agosto de 1912. Fundo SGG. Arquivo Histórico Nacional, Cxª 664.
O Independente, nº 16, 27 de Agosto de 1912, p. 4.
O Progresso, nº 7, 15 de Agosto de 1912, p. 3.

Investigador

Maria Adriana Sousa Carvalho

Observações

As provas de exame eram organizadas por “jurys constituídos, em cada séde do concelho, vogaes amoviveis designados pelos respectivos presidentes, de entre os nomeados, (..) não devendo os examinadores serem os professores dos examinandos” (Boletim Oficial, nº 28, de 15 de Julho de 1911). O ritual do exame pautava-se pelas “Instruções relativas aos exames” [(Boletim Oficial (Supl. nº 10 ao nº 25), de de 26 Junho 1917; (Supl. nº 9 ao nº 23), 12 de Junho de 1918).
A imprensa concedia destaque especial às provas de exame, concluídas com distinção, por “gentis meninos e meninas” (O Progresso, nº 7, 15 de Agosto de 1912), concedendo um tratamento diferenciado, em função da classe social de origem. Uma notícia do semanário A Voz de Cabo Verde refere que as meninas se distinguiam nos exames, obtendo os melhores resultados (nº 58, de 22 deSetembro 1912).
Tivemos acesso à “Nota dos exames havidos na ilha Brava”, de 30 de Agosto de 1912, que regista que, entre os alunos do professor, foram examinados 33 alunos, tendo sido aprovados 32 e reprovado um aluno “gago, que não se entende a fala”.

Documentos

Partilhar