Procurar usando este tipo de interrogação:



Procurar apenas estes tipos de registos:

Objeto
Ficheiro
Coleção
Página Simples

Pesquisa avançada (apenas objetos)

Casa do Senador Vera Cruz – edifício onde foi instalado o Liceu Nacional de Cabo Verde



Ficha Técnica

Número

LM/EEQ/001

Designação

Casa do Senador Vera Cruz – edifício onde foi instalado o Liceu Nacional de Cabo Verde

Nível de Ensino

Ensino liceal

Descrição

O edifício onde foi instalado o Liceu Nacional de Cabo Verde, em Mindelo, pertenceu a Augusto Vera Cruz. Não existindo, na cidade, um prédio adequado a um estabelecimento de ensino liceal, o Senador Vera Cruz que, “com uma dedicada pertinácia de quatro anos, conseguiu que o Parlamento da Republica votasse a lei nº 701 [de 13 de Junho de 1917, que criou o Liceu Nacional de Cabo Verde]” (discurso do Reitor, 24 de Novembro de 1917), cedeu a sua moradia para aí se instalar o primeiro liceu laico da colónia, inaugurado no dia 19 de Novembro. No ato da inauguração, o Reitor António Augusto da Veiga e Sousa informou que estava escolhido “o terreno para o liceu, terreno que mede 120X110 metros, ou seja uma área de 13:200 metros quadrados" (idem). Porém, em 1920, o Reitor Henrique Owen Pinto, advertia “O liceu não tem edifício próprio; quando o proprietário exigir êste, ficaremos desalojados. Por todas as formas, oficial e extra oficialmente, tenho tentado, desde que me foi entregue a direcção desta escola, obter uma instalação destinada exclusivamente ao seu funcionamento. (...) E não há edifício. Um conheço eu, do Estado. Não é o ideal, mas, provisoriamente, satisfazia; a residência dos oficiais da 3ª zona. Inteiramente isolada do Quartel, utilizando, apenas, a parada exterior, para recreio dos rapazes, era aproveitável” (5 de Outubro de 1920). De facto, esta foi a solução adotada e “em 1921 [foi] aprovado o orçamento para a instalação do Liceu no antigo Quartel atrás do Palácio” (1984, p. 160).
Neste edificio, depois de ter sido moradia da família do Senador, no fim da década de trinta, foi instalado um grémio da «alta sociedade» mindelense. Na década de cinquenta,  a Rádio Barlavento começou a utilizar parte deste edifício” (idem). Após a independência, foi Centro Nacional das Artes, Museu de Arte Tradicional e, atualmente, Centro Nacional de Artesanato e Design.
Consultar:
Galeria - fotografias do exterior e interior do edifício. Documento - breves referências à história da Casa do Senador Vera Cruz e da Rádio de Cabo Verde.

Data

O edificio foi construido "na passagem do século". Segundo a obra Linhas Gerais da História do Desenvolvimento Urbano da cidade de Mindelo (1984, p. 160), “antes de 1895 de certeza não existia".

Localização

A casa da Senador Vera Cruz fica situada na Praça Nova, designação popular da Praça Serpa Pinto, que, após a indpendência, passou a designar-se Praça Amílcar Cabral.
Esta praça “foi a grande novidade urbanística na cidade, construída por conta da Companhia S. Vicente de Cabo Verde, que ocupou a Praça Dom Luiz” (Linhas Gerais da História do Desenvolvimento Urbano da cidade de Mindelo, 1984, p. 160), para aí “construir um depósito de carvão, ponte, plano inclinado e oficinas no Porto Grande” (idem, p. 157). A localização da Praça Nova foi objeto de protestos e reclamações de vários habitantes, principalmente comerciantes, por estar “fora do centro e dos bairros mais antigos” (idem, p. 161).

Estado de Conservação

Bom

Bibliografia

A Voz de Cabo Verde, nº 317, 5 de Novembro de 1917.
A Voz de Cabo Verde, nº 320, 24 de Novembro de 1917.
A Voz de Cabo Verde, nº 345, 27 de Maio de 1918.
Boletim Oficial de Cabo Verde, nº 47, de 22 de Novembro de 1919.
Boletim Oficial de Cabo Verde, Supl nº 14 ao nº 52, de 31 de Dezembro de 1918.
Discurso do Reitor Henrique Owen Pinto, 5 de Outubro de 1920. Fundo SGG, AHN, cxª 666.
Ministério da Habitação e Obras Públicas (1984). Linhas gerais da história do desenvolvimento urbano da cidade de Mindelo. Praia: Edição do Fundo de Desenvolvimento Nacional, Ministério da Economia e Finanças.
Nogueira, Gláucia, Rádio Cabo Verde (site da Rádio de Cabo Verde).
Nos Genti - Negócios, pessoas e empreendedores. Palanca Média. Cabo Verde.
Oficio do Reitor António Augusto de Veiga e Sousa, de 19 de Novembro de 1917. Fundo SGG, AHN, cxª 666.
Site da Mindelo Infos

Investigador

Maria Adriana Sousa Carvalho

Observações

O liceu começou com 31 alunos, sendo 21 do sexo masculino e 10, do feminino, todos da 1ª classe (Ofício, de 19 de Novembro de 1917). Dezoito meses apóa a sua criação, foi decidida a sua cessação, devendo remeter-se “todo o material pertencente ao Liceu Nacional de S. Vicente para o Instituto Caboverdeano de Instrução [S. Nicolau], que passaria a ministrar as matérias do Curso Geral dos Liceus da metrópole, abrangendo 5 classes, repartidas por duas secções” (Portaria 474, Boletim Oficial, de 31 de Dezembro de 1918). Seguiu-se uma reacção de cidadãos de Mindelo, “proprietários, maiores contribuintes, comerciantes e trabalhadores”, que pediram a intervenção da “Câmara Municipal, na qualidade de legítima representante do povo, […] no sentido de interpretar, quer em face do Governo Provincial, quer ante o Poder Central, a conveniência de o Liceu Nacional continuar em S. Vicente” (Petição, de 26 de Abril de 1918, com 66 assinaturas). Sob a pressão cívica, o governo colonial decidiu manter o liceu na cidade do Mindelo (Portaria 632, de 21 de Novembro de 1919, Boletim Oficial, de 22 de Novembro de 1919).

Partilhar